Lerwick

Lerwick Cruise

Vivendo conforme a maré

Lerwick, o porto onde seu navio MSC aguardará o seu retorno, é o foco da vida comercial de Shetland.

Durante o ano inteiro, seu porto protegido fica movimentado com balsas e barcos de pesca, além de embarcações especiais como, por exemplo, de abastecimento de plataformas petrolíferas, de pesquisas sísmicas e embarcações navais provenientes de todo o Mar do Norte. No verão, o cais ganha vida com os iates, navios de cruzeiro, embarcações históricas, a exemplo do restaurado Swarn e dos enormes veleiros.


Atrás deste porto antigo encontra-se o compacto centro da cidade, formado por uma longa rua principal toda feita de pedras, a Commercial Street, cujo formato estreito e sinuoso, localizada a uma quadra da Esplanada, oferece proteção contra os elementos climáticos mesmo nos piores dias. A partir dali, estreitas avenidas, conhecidas como closses, sobem rumo à oeste até a nova cidade vitoriana. O extremo norte da Commercial Street é marcado pelas imponentes muralhas de Fort Charlotte, inauguradas por Carlos II em 1665. Foram incendiadas pela frota holandesa em agosto de 1673; em 1780 foram restauradas e em homenagem à rainha de George III, receberam o seu nome.

/> As exposições do Museu Shetland, localizado num maravilhoso edifício próprio construído à beira-mar, incluem réplicas de um tesouro de prata dos pictos (antigos habitantes da Escócia) encontrado na região, a Pedra dos Monges, que supostamente representa a chegada do cristianismo à Shetland, e um bloco de manteiga, utilizado para pagar impostos ao Rei da Noruega, encontrado preservado em uma turfeira.


Os cruzeiros pelo Norte da Europa da MSC também oferecem excursões a Scalloway, antiga capital de Shetland, cuja importância foi diminuindo ao longo do século XVIII, à medida que Lerwick crescia. Hoje em dia, Scalloway está um tanto sossegada, embora seu porto seja bastante movimentado.


A cidade é dominada pela imponente ruína do Castelo de Scalloway, uma clássica torre fortificada construída com trabalhos forçados em 1600 pelo infame conde Patrick Stewart, que manteve a corte no castelo e ganhou fama pela sua crueldade e corrupção.

Excursões e atividades